O amor acaba

Por Antonio Prata

broken-heartO amor acaba. Assim foi e assim será. Numa quarta-feira de cinzas, num sábado de carnaval. O amor se perde entre o rebolado de duas passistas, debaixo da saia da baiana, o bumbo ecoando as batidas que já não vem do coração. O amor encolhe, anoréxico, suicida-se de melancolia; acaba num átimo de infarto – “tão jovem!”, dirão -, ou aos poucos, pingando em lenta e imperceptível hemorragia, pálido amor; morre de velhice, de obesidade, de preguiça; o amor desaparece, no fundo de uma gaveta, entre cartas de amor e contas de luz de 1987. O amor embolora, cria fungos, amarela; acaba entre um sorriso e um soluço, no meio do filme, no cinema, no movimento da mão que busca a outra mão na poltrona, mas mão já não há; acaba no papel de bala amassado, metido no bolso: lá vai ele, tão frágil o amor; acaba no mesmo colo de sempre, na cama, no gozo, triste, na distância entre dois corpos dormentes, num cafuné estéril. Cadê o amor que estava aqui? O gato comeu, O ladrão levou, o anel que tu me destes era vidro e se quebrou, o amor q tu me tinhas, cadê meu Deus, o amor? O amor escorre, escapa, dissolve, seca, evapora-se de nós, pobres criaturas, “feitas para amar e sofrer por amor”; o amor acaba nas férias, na praia, no sol, em segundas-feiras cinzentas nos escritórios, em piscinas e cinzeiros, em abraços e ofensas, o amor acaba com ódio, acaba mesmo com amor, nem tanto, um tanto só de amor; acaba sozinho, culpado, acaba em conjunto, triste; esquece-se o amor, como uma musica de infância, uma tarde em que morremos de rir, uma cidade inteira onde já estivemos e já não está mais dentro de nós. Onde foi parar o amor? Foi-se embora para Paságarda, onde é amigo do rei (de nós certamente, já não é), fugiu para Maracangalha (com Amália?), aposentou-se em Beleléu, foi pro inferno, pro limbo, pro céu ou quem sabe, reside agora num baú, num sótão, numa rua calma de Santa Rita de Passa Quatro. O amor não escolhe o momento de terminar, vai-se no susto de um pôr-do-sol interrompido por uma buzina, no primeiro ônibus de manhã, é enterrado pela pilha de jornais atirados diante da porta, vai embora com a borra do café; “em todos lugares o amor acaba; por qualquer motivo o amor acaba; para recomeçar em todos os lugares. E a qualquer minuto, o amor acaba”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: