Procura-se filmes para crianças

09/08/2010

Animação nem sempre é sinônimo de filmes infantis.

Procura-se filmes de verdade para crianças, e para crianças de verdade. Procura-se filmes encantadores, que não contenham sarcasmo, piadas racistas ou sexistas. Que contenham músicas, mesmo que de início pareçam bregas, mas que daqui a alguns anos farão as crianças se lembrarem dos ‘bons tempos’ ao ouvi-las no rádio.

Você já reparou na quantidade de filmes infantis que surgem no cinema? Principalmente nos meses de férias, como janeiro e julho, uma avalanche de animações invadem as salas e mentes das crianças. Animações, não mais desenhos animados. Em 2009, com o lançamento de “A Princesa e o Sapo”, a Disney inovou justamente por produzir um filme em – pasmem – desenho animado.

Para citar o clássico dos clássicos: “O Rei Leão”, de 1994, é um dos maiores sucessos infantis da Disney. O filme conta a história de Simba, um leão que por motivos dramáticos, se perde de seu reino na floresta. É cheio de músicas marcantes, como “Can You Feel The Love Tonight”, do Elton John. O longa ainda fala sobre lealdade e da eterna batalha do bem contra o mal, quando Simba enfrenta o tio Oscar.

Porém, ultimamente o que se tem visto nas salas de cinema, são filmes de animação com temática cada vez mais adultas. Claro que isso não é ruim, muito pelo contrário. Filmes reflexivos são sempre bem vindos, mas não são infantis. Se você está procurando filmes para os baixinhos (by Xuxa), fique longe desses aqui:

Shrek (2001) – O mais ‘anti-Disney’ de todos os filmes de animação, tira sarro das músicas dos contos de fada da empresa do Mickey. Pássaros, borboletas e princesas têm funções diferentes aqui: também cantam Led Zepellin e fazem vinganças. Apesar de muitos pais acreditarem ser um filme infantil, está longe disso. É preciso ter uma experiência mínima para entender as sacadas e piadas. A trilha sonora, composta por Smash Mouth, realça a témática para ‘crianças crescidas’.

Wall E (2008) – No futuro, a humanidade foi soterrada por seu próprio lixo. A empresa BNL, a única do mundo, envia seres humanos para o espaço sideral, a bordo de uma estação espacial. Wall E, um robô ultrapassado, trabalha sozinho recolhendo o lixo durante 700 anos, e conhece uma robô, EVA, por quem se apaixona.

Up – Altas Aventuras (2009) – maravilhoso filme sobre um vendedor de balões de 78 anos, que vive sozinho. Russell, um garotinho escoteiro tenta oferecer ajuda e é ignorado. A partir daí, eles viverão uma grande aventura. Mais um filme para adultos, lindo, porém sério demais para crianças.

Os Fantasmas de Scrooge (2009) – A história é antiga e se baseia no conto de natal mais famoso (do mundo?) de Charles Dickens. Ebenezer Scrooge é avarento e maltrata os funcionários, até que recebe a visita dos fantasmas dos natais passados. É assustador, tem gritos e sustos. Não recomendável para crianças.

Toy Story 3 (2010) – Lançado 15 anos após o primeiro, conta a história dos brinquedos de Andy, que estão bem vivos no terceiro filme da série. O filme é lindo, com lições sobre moral e lealdade, mas recheado de piadas adultas, sobre o Ken, por exemplo. É um filme para as ‘crianças’ com 15 anos a mais que acompanharam o primeiro.

E vem por aí…

Enrolados (2010) – Uma aposta de “Shrek” da Disney, conta a história da Rapunzel de uma forma diferente… Clique para ver o trailer.

Com tanta necessidade de reinvenção, principalmente no cinema infantil, que antes era tomado por clássicos de princesas, musicais, passarinhos e etc., daqui a pouco clichê mesmo será produzir os nada infantis filmes para crianças.


Filme: Amor aos Pedaços (Love & Sex)

21/01/2010

Vou falar de um filme um tanto antigo, lançado em 2000, mas que é uma das melhores comédias românticas que já assisti. É o tipo de filme que tem ritmo. Começa, se desenrola e termina de uma maneira intrigante.

Para quem namora, após o fim do filme, a vontade é de rever algumas atitudes no relacionamento, com a  intenção de melhorar. Para quem está solteiro, o filme é bem esperançoso e nos faz acreditar que existe sim um amor verdadeiro, para toda a vida.

SINOPSE
Kate Welles (Famke Janssen) é uma jovem jornalista que está frustrada com as futilidades que é obrigada a escrever, até surgir a chance de preparar uma reportagem sobre as diferenças entre amor e sexo nos dias atuais. Kate agarra essa oportunidade e passa a relembrar os relacionamentos amorosos de sua vida, desde o momento em que perdeu a virgindade até seu último namorado, Adam (Jon Favreau), que a dispensou há três anos e agora faz de tudo para que os dois retomem o antigo namoro. Amor aos Pedaços é uma história sobre dificuldades, dúvidas e situações diversas pelas quais um casal passa.

PS: Para quem namora, vale a pena assistir Amor ao Pedaços ao lado do love. Explico: grande parte do filme mostra a luta de Adam para tentar reconquistar o amor da namorada que ele dispensou, imaginando que não havia mais amor porque o namoro estava meio ‘morno’. No entanto, após o fim do relacionamento, ele percebe o quanto a ama e corre atrás do prejuízo. Ela por sua vez, não deixa barato e até resolver se volta ou não com Adam, conhece inúmeros outros ‘amores’.


Crítica: Vício Frenético

18/01/2010

Ok. Não sou crítica de cinema nem nada. Mas sabe quando um filme é tão ruim, mas tão ruim, que você quer alertar a todos que estão na fila do cinema a não comprar os ingressos?

O filme é composto por palavrões, drogas, traficantes, estereótipos como criminoso afro-descente + imigrante ilegal ou latino. Policiais corruptos, sangue e mentiras. Muitas cenas desnecessárias e longas ao extremo.

Há quem diga que o filme fala do ‘ambiente que molda o ser humano’. Mas a única coisa que eu consegui ver foi um Nicolas Cage (detetive McDonagh) decadente, que não consegue fazer nenhum papel diferente dos outros, como em “O Senhor das Armas”, “60 Segundos” e por aí vai.

O filme, trágico desde o início, mostra McDonagh salvando um prisioneiro de uma enchente provocada pelo furacão Katrina. A partir daí, ele passa a depender de analgésicos e drogas para combater uma forte dor na coluna.

Aí eu me pergunto: como pode um POLICIAL/TENENTE/DETETIVE ficar chapado 24h por dia e NINGUÉM perceber? Se envolver e ajudar traficantes, ameaçar velhinhas, assaltar o dono de uma cidade e todos retirarem as queixas? Mais hollywoodiano impossível. Ah, sem contar que o Mr. McDonagh namora uma prostituta, muito mal interpretada por Eva Mendes, aliás.

Tudo o que consegui ver foi uma interpretação patética da loucura causada pelos entorpecentes. Iguanas, almas dançantes e jacarés com trilhas sonoras bizarras foram as cenas mais ridículas que já vi. Todos os que estavam no cinema riram.

Vi muita gente ir embora na metade do filme. Só não fui porque ‘paguei, quero ver o final, ora’. Me arrependo. Era melhor ter ido ver o filme do Pelé /Chaves.


Cinema

06/01/2010

Após assistir três dos filmes mais comentados do momento (uhh), eis a minha opinião: 

– Contatos de Quarto Grau: protagonizado pela atriz Milla Jovovich e que inclui um material inédito de arquivo, é o último exemplo do que foi classificado como o gênero “verite horror“, que pretende deixar o espectador convencido de ser testemunhas de experiências sobrenaturais. Com uma estrutura que não se parece com a de nenhum outro filme, ‘Contatos de Quarto Grau’ é um thriller provocativo ambientado na atualidade em Nome, Alasca, onde – misteriosamente desde a década de 60 – todos os anos é registrado um número desproporcional de desaparecimentos.

Sem dúvidas, um dos melhores filmes de suspense/terror que já assisti. Não é nada parecido com os filmes de alienígenas já lançados. É uma história diferente, um mix das cenas reais gravadas no passado e cenas interpretadas pelos autores, bem parecido com um documentário. Segundo o filme, podemos ter quatro graus de proximidade com o ET’s, sendo o primeiro a visão do OVNI, o segundo a existência de provas do contato, o terceiro um contato físico com os aliens e o quarto a abdução. Contatos de Quarto Grau é desesperador e aterrorizante. Tranquilamente, dá para perder algumas noites de sono!

– Atividade Paranormal: Desde criança Katie (Katie Featherston) ouve ruídos estranhos, sussurros e sente sensações inesperadas. Já adulta, ela mora com seu namorado Micah (Micah Sloat), que meio cético quanto aos depoimentos resolve usar uma câmera para gravar tudo o que acontece enquanto eles dormem e vivem dentro da casa. E o que era para ser apenas uma forma de esclarecer o mistério, torna-se uma experiência assustadora.

O que dizem é que o filme foi rodado com apenas 15 mil dólares e somente dos EUA já arrecadou mais de 100 milhões. Depois dessa informação, acho desnecessário dizer o quão bom é o filme. Para quem gosta do gênero terror, é um prato cheio, transbordando. O cenário do filme não muda, é o mesmo o tempo todo. São somente dois atores e as falas são bem simples, assim como os efeitos, no entanto, é uma produção muito bem sucedida. Atividade Paranormal está na ranking dos melhores filmes de terror que já assisti – e olha que não forma poucos. O único problema é após alguns dias de ter assistido ao filme, ainda tenho calafrios em lembrar de alguma cenas.

– Avatar: é o primeiro longa-metragem de ficção de James Cameron desde o fenômeno ‘TITANIC’ (1997), e o primeiro filme em 3D do cineasta. A nova produção do diretor  teria custado absurdos US$ 500 milhões, entre orçamento do longa as ações de marketing. O valor é, de longe, o mais alto do cinema hollywoodiano. Vale lembrar que ‘TITANIC’, último filme de Cameron, ainda tem o recorde de maior bilheteria mundial com US$ 1,9 bilhões. O filme emociona com sua história de amor e nos envolve na luta do personagem principal, que tenta salvar o seu mundo alienígena e fascinante de nós, humanos.

Não tenho muito a comentar sobre esse maravilhoso filme. Saí da sala do cinema de boca aberta, de queixo caído e sem a menor vontade de voltar para o ‘mundo rea’ – se possível, gostaria de viver no mundo de AVATAR. Nota 10!


Decepção da semana: O Procurado

03/11/2009

o procuradoEste filme foi a minha decepção do fim de semana. Mais um filme ruim de Angelina Jolie. Aliás, gosto muito dela, mas nesse filme, está sempre com a mesma expressão. Versatilidade zero.

Sinopse

Wesley Gibson (James McAvoy) é um gerente de contabilidade fracassado. Se considera um inútil e tem uma vida monótona. Até ser encontrado por Fox (Angelina Jolie) para vingar a morte de seu pai.

Crítica

Se você gostou de Matrix, com o Keanu Reeves desviando de todas aquelas balas e toda aquela surrealidade, talvez você goste de “O Procurado”.

Dica: abstraia mesmo! Os efeitos são surreais e desafiam qualquer lei da física, com balas curvas e tudo mais.

O fim da história é patético. James McAvoy não segura o papel principal. É só um rosto bonitinho (bonitinho mesmo, não bonito), que talvez se desse bem num teste da Malhação.

Tudo bem que o cinema não é realidade, mas… Não precisava ser tão inverossímel.


Adorável rebugento flutuante

14/09/2009

up altas aventuras

À primeira vista, ‘Up – Altas Aventuras’ parece ser um filme bobinho. Mas é um filme fantástico: mistura aventura, comédia, drama, romance e lições de vida em pouco mais de uma hora e meia de animação.

De suspensório, óculos de aros grossos e um ar ranzinza, Carl Fredricksen é um solitário velhinho que sonha em viajar para o paraíso das cachoeiras. Num belo dia, Russell, um adorável explorador da natureza de apenas 8 anos, oferece ajuda. Os dois embarcam numa grande aventura, quando o Sr. Fredricksen prende milhares de balões e leva sua casa para a América do Sul.

Pode parecer filme para criança, mas não é. É emocionante em várias partes. Não perca!

Russell é o personagem mais fofinho, mais guti guti (que brega…) de todos os tempos!

A única crítica é o 3D. Mesmo vendo o filme num cinema de ótima qualidade, há pouquíssimos minutos de 3D. Dá a impressão de que a Disney só colocou nesse formato para ganhar (mais) dinheiro.


Arraste me para o inferno

17/08/2009

SINOPSE Christine Brown (Alison Lohman) é uma jovem e ambiciosa corretora de empréstimos em Los Angeles. Na companhia do namorado, Clay Dalton (Justin Long), Christine parece levar uma vida tranquila. Isso até o dia em que ela recebe a visita da misteriosa senhora Ganush (Lorna Raver), que chega ao banco onde Christine trabalha para pedir um acréscimo no empréstimo e poder pagar sua casa. Ao negar o pedido, que tinha como objetivo apenas impressionar o chefe, o senhor Jacks (David Paymer), Christine acaba desgraçando a vida da senhora Ganush. Como retaliação, a senhora Ganush lança uma maldição sobre a jovem e sua vida se transforma em um verdadeiro inferno.

dragmetohell_1

drag_me_to_hell_witch

MINHA NOTA: 8
O filme é bem legal, mas tem um ‘estilão’ Todo Mundo em Pânico, você não consegue sentir muito medo, porque as risadas se misturam com os arrepios de terror. Na verdade, acho que dei mais risada do que me assustei.
Mas é bem feitinho, vale como um bom suspense.

Alguns comentários que circulam na net:

“Só o fato da direção ser de Sam Raimi já qualifica o filme, o tom cômico em algumas cenas é uma das marcas do diretor, mesmo em filmes deste gênero, veja as 3 partes de “Evil Dead”, para quem gosta de filmes de terror e dos trabalhos de Sam Raimi uma boa pedida.”

Um terror divertidíssimo, pra ver no cinema com a sala cheia.”

Há muito tempo que não vejo um filme de terror tão bom e sério quanto este! Este com certeza tem de estar na lista dos melhores do gênero Terror de 2009! Sem comentários para as cenas “nojentas” que envolvem muito sangue, gosma (a velha bruxa…), pancadaria e ação extrema, cenas imprevisíveis e a cada segundo um susto a mais! É o tipo de filme que a cada 1 minuto em tensão, clima de suspense e muito susto com as surpresas que ele nos revela com o decorrer do tempo.”

Ridículo… Você não sabe se é terror ou se é comédia, acho que não final do filme a mulher estava careca de tanto cabelo que a velha arranco dela…”

Sam Raimi arrebentou, melhor filme terror/humor em anos, pra se dizer a verdade, desde os anos 80 não fazem um filme tão bom no gênero, nota 1000.”

Filme sensacional! Recomendadíssimo.”

É um filme que lhe garante arrepios e risos ao mesmo tempo, pode isso? Bem diferente.”